Def Leppard: O acidente que levou o braço e salvou a vida de Rick Allen
01/11/2019 12:50 em Let's Rock

Em 1979 um EP de rock pesado foi lançado com três faixas, sendo uma delas com o dobro do tamanho das outras. As canções tinham vocais multifacetados e harmônicos, dedilhados recorrentes nas linhas de baixo até em canções pesadas e riffs de guitarra bem melódicos.

 

O EP era de um quarteto inglês chamado Def Leppard: Joe Elliot nos vocais, Pette Willis e Steve Clark revezando-se nos solos e bases das guiatrras e o baixista Rick Savage. A banda não tinha baterista por isso contratou um profissional de estúdio no instrumento para gravar o disquinho por uma pequena gravadora.

 

Nos shows que a banda fazia na época, o EP era vendido pelo preço de custo com o objetivo de fazer circular o nome da banda na cidade de Sheffield, a sexta mais populosa da Inglaterra, onde todos os membros moravam. Num evento promovido pelo lendário John Peel, Elliot estava presente e insistiu tanto que convenceu o DJ da BBC a tocar uma canção do EP em seu programa, gerando interesse dos ouvintes. O investimento (e a investida) deu certo, pois no ano seguinte a banda assina com uma gravadora maior para produção e lançamento do seu primeiro álbum batizado de On Through The Night

 

Incomodados com a dificuldade de encontrar amigos bateristas que aceitassem tocar praticamente de graça nos shows, para este primeiro álbum, foi contratado um talentosos garoto de apenas 15 anos para tocar bateria na banda em definitivo.

 

De fato, Rick Allen jamais deixaria de tocar as baquetas do Deff Leppard. O fato de ser adolescente numa banda de rock de sucesso já seria o suficiente para estar num texto do Whiplash. Só que a história não para por aí! Tem mais! E bota mais nisso! Mas vou resumir.

 

Em 1983, já em seu terceiro álbum, o Def Leppard fazia estrondoso sucesso, com várias canções tocando na Europa e EUA. A turnê também foi um sucesso naquele ano, gerando o convite para virem tocar no primeiro Rock In Rio, em 1985. Porém, o rápido crescimento da carreira do imaturo Rick Allen inflou seu ego. Mergulhou de cabeça nos excessos de álcool e na potência de seu Corvette C4, sendo algumas vezes detido por correr demais nas ruas e estradas inglesas.

 

No dia 31 de dezembro de 1984, com 21 anos de idade, acompanhando da namorada, Rick seguia a caminho da casa de seus familiares para o reveillon, quando foi desafiado por outro motorista num potente Alfa Romeo e um racha teve início. Embriagado como de hábito, o músico não percebeu uma curva a tempo e despencou seu carro de um barranco, sendo arremessando para fora dele. A namorada conseguiu sair do carro após a capotagem e encontrou Rick sem o braço esquerdo- arrancado pelo cinto de segurança que estava mal colocado. O braço foi recolhido e reimplantado. Mais tarde porém, uma infecção que não pôde ser contida, infelizmente, levou seu braço a ser re-amputado.

 

Claro que os compromissos da banda foram cancelados imediatamente. Quatro semanas depois do acidente, Rick conversava com engenheiros para que fosse projetada uma bateria que o permitisse tocar com um braço apenas. A banda então decidiu esperar que o baterista se recuperasse e Rick passou a treinar com uma bateria cujos controles de ritmo estão todos nos pés, usando 4 pedais eletrônicos no pé esquerdo, para que pudesse tocar as peças que seu braço esquerdo tocaria.

 

E o próximo álbum só seria lançado quatro anos depois. Com Rick Allen na bateria! Muitíssimo esperado pelos fãs e crítica musical, o álbum Hysteria vendeu mais de 20 milhões de cópias no mundo todo.

 

Rick costuma dizer que o acidente, embora tenha lhe custado um braço, salvou a vida dele, porque senão já teria morrido de tão louco que era. Depois do acidente, ele não parou de beber de fato, pois tinha várias recaídas até que em 1996 foi condenado, por confessar ter abusado de sua então esposa, a frequentar um grupo da alcoólicos anônimos, além de prestar serviços comunitários por um mês. Em 2001 ele se casa novamente e funda, com a nova e atual esposa, uma ONG que presta assistência a pessoas com deficiência física e também à pessoas em crises pós traumáticas.

 

A banda, cujo último álbum foi lançado em 2015, segue fazendo shows com o mesmo Rick Allen nas baquetas, sempre usando camiseta, jeans, sem luvas e tocando descalço. Impossível não concordar que ele é um músico de muita atitude!

 

FONTE: https://whiplash.net/materias/biografias/303524-defleppard.html

COMENTÁRIOS